Casa Lapostolle #lugarzinhos

No Vale do Colchagua, a 150 km de Santiago, você poderá fazer a  rota do vinho. As vinícolas são muito bem estruturadas pra receber visitantes, a paisagem incrível, coberta de vinhedos e montanhas e  os hotéis são românticos. E, de quebra, você pode levar garrafas por menos da metade do que pagaria no Brasil e ainda encontrar rótulos exclusivos.

A Vinícola Lapostolle no Vale de Colchagua, foi fundada por Alexandra Marnier Lapostolle e seu marido Cyril de Bournet em 1994. Para amantes do vinho, visitar a  Lapostolle  é ter a possibilidade de conhecer de onde que vem o melhor vinho do mundo 2008 segundo a prestigiosa publicação Wine Spectator. Arquivo_003

O vinho ganhador, Clos Apalta 2005 não é o único premiado desta vinícola, pois vários alcançam sobre os 90 pontos considerados excelente e grande, em uma qualificação de 1 a 100. Clos Apalta obteve 96 pontos.

Se você já ouviu falar do Grand Marnier,saiba que a dona da vinícola é a mesma dona deste prestigioso  licor.

Hoje, Lapostolle é dono de 370 hectares em três vinhedos diferentes e produz um total de 200.000 cascos de variadas uvas, Sauvignon Blanc, Chardonnay, Cabernet Sauvignon, Merlot, Carmenère e Syrah.

Lapostolle , considerado o mais francês dos produtores chilenos, é distribuída em mais de 60 países ao redor do mundo.

O passeio começa subindo num caminhão aberto que leva entre estradinhas pelos vinhedos parando em mirantes e depois entra na bela vinícola de arquitetura contemporânea, construída seguindo os princípios do feng chui, com várias imagens de anjos e fontes de água. Lá dentro você vê as pressurizadoras e visita a adega, onde os vinhos descansam ao som de canto gregoriano.

Foi feita uma perfuração com dinamites na rocha de granito para obter um buraco em torno de 25 metros.

A bodega ficou com 06 andares, e no centro foi colocada uma escada elíptica desde o primeiro ao ultimo andar.

Em algumas partes eles deixaram a rocha aparente para que os visitantes possam apreciar.

Mas não se preocupe, tem elevador.

O ápice da visita é a sala de degustação, no topo do conjunto, onde você experimenta os vinhos mirando os parreirais e a visita à loja.

Como se não bastasse, recentemente foi inaugurado o restaurante Fuegos de Apalta by Francis Mallmann, baseado na culinária de fogo.

Os mariscos e peixes são da região de Mantanzas, as hortaliças de Colchágua, os cordeiros de Marchigüe, as carnes de Osorno e os temperos da própria horta de Mallmann.  A ambientação da casa também valoriza os produtores locais: toda mobília foi feita pelos artesãos do vale ou nas proximidades de Chimbarongo.

A  arquitetura  integra com a vista exuberante da vinícola acrescendo mais um item a experiência sensorial do momento enogastronômica.

Super charmoso o restaurante, com opção de mesas ao ar livre , concepção contemporânea, com defumador e grelha circular protegido por vidro, você pode observar os cozinheiros enquanto aguarda ser servido.

Os pratos bem são apresentados e saborosos.Alguns vinhos podem ser provados

Alguns vinhos podem ser provados em taças. O Shyraz da V. Montes é um  tinto versátil para harmonizar com a maioria dos pratos.

Vinícola VIK #lugarzinhos

Já tive oportunidade de conhecer algumas vinícolas, mas até o momento nenhuma tão luxuosa quanto a VIK, no Chile, a apenas duas horas de Santiago.

A VIK hoje produz o segundo melhor vinho do Chile e ainda conta com um  hotel de luxo, onde cada quarto foi assinado por um artista renomado.

Em 2004, Alexander Vik, um empresário Norueguês, que tem uma rede de hotéis no Uruguai, teve a ideia de criar uma vinícola de alto nível e produzir um vinho único.

Mas a VIK não é apenas uma vinícola, é um lugar para você viver uma experiência fascinante. Vinho, arte, glamour, campo, modernidade e ao mesmo tempo uma simplicidade que te faz se sentir à vontade. Você pode ficar hospedado no luxuoso hotel ou apenas ir para passar o dia. Tem também opção de cavalgadas e passeios de bicicletas pelo vinhedo.

No terreno de 4.300 hectares são plantados 5 tipos de uva: Cabernet Sauvignon, Cabernet Franc, Merlot, Syrah e Carmenere.

Moderna, sustentável, inovadora, criativa e sem causar danos visuais ao meio ambiente,criação do arquiteto chileno Smiljan Radic.

A bodega foi projetada para que sua maior parte fosse subterrânea, o que faz com que o vinho esfrie de maneira natural evitando o uso de ar condicionado. Logo na entrada o espelho d’água já remete a este ideal pois além da função arquitetônica também foi projetado para resfriar a bodega.

 A parte gastronômica da Viña Vik tem destaque para os pescados frescos do Pacífico, o salmão chileno, as boas carnes e ingredientes produzidos na região. Pratos variados são acompanhados do excepcional vinho VIK, produzido e engarrafado na propriedade – servido na sala de jantar ou no terraço com vista para as colinas cobertas pelas vinhas.

São realizados passeios de bicicleta pelos vinhedos, cavalgadas e até vôo de balão. Os clientes também podem usufruir de Salão de Jogos, Fitness Center, Sauna e um Spa especializado em tratamentos à base das propriedades do vinho.

Realmente uma experiência a ser vivida!

Vinícola Terrassos #lugarzinhos

A Vinícola Terrassos, na cidade de Amparo, a 150 km de São Paulo, é uma opção  de passeio para os amantes de vinho e boa comida.

O local fica a 850 metros de altura proporcionando uma incrível vista que combina perfeitamente com as massas servidas no local, além do vinho da casa que possui um ótimo custo-benefício.

Você também pode fazer  passeios guiados pela produção de vinho e degustação.

Mas o melhor de tudo é o ambiente familiar e aconchegante. Tudo produzido artesanalmente , o cardápio e o vinho.

Uma situação muito interessante ocorreu comigo em minha última visita ao local,foi quando chequei e o Fábio, enólogo da vinícola, desculpou-se comigo dizendo: ”desculpa a bagunça, eu estava fazendo espumante“, foi fantástico, completamente inusitado  para mim.

Aliás o método de produção do espumante deles é o champenoise e isto você poderá aprender lá também.

A Vinícola, embora jovem, já possui vinhos pontuados na revista Guia Adega do Brasil 2015/2016, como o Terrassos Máximo 4 Estações 2014.

Também recebeu elogios do melhor sommelier do Brasil , eleito duas vezes, Diego Arreloba.

A Terrassos esteve presente no coquetel de lançamento do meu blog com seu espumante e branco e espumante Demi, um sucesso entre os convidados.

Aos sábados você pode apreciar um Cordeiro assado lentamente com especiarias e risoto milanês.

E aos domingos o delicioso rodízio de massas artesanais, sempre acompanhados dos vinhos  e ainda pode trazer para casa os que mais apreciar.

 E agora você pode degustar os vinhos da Terrassos em Campinas, no Dri Facure Espaço Gourmet e Griffe Mãos da Terra  com as delícias que incluem desde o tradicional, fit e vegetariano e ainda poder conhecer o charmoso espaço totalmente repaginado e   conferir nossa griffe que esta um show!

Vinicola Terrassos

Na estrada de Amparo – Itapira, Rod. SP 352, km 137 – Amparo

19 97444094

www.terrassos.com.br

@terrassosvinicola

@drifacure_bistro_maosdaterra

Av. Dr. Manoel Afonso Ferreira, 136 – Campinas

19 981434427

 

Vinhos Gregos #winetips

Eu estou adorando compartilhar as dicas sobre vinhos do meu amigo José Lucio Natali, sempre uma passada em algum cantinho desconhecido ou pouco explorado por nós neste vasto universo.

Já diz a máxima que com relação aos vinhos, ao contrário do amor, não se deve ser fiel. Então que tal sair da rotina e partir para a encantadora Grécia.

“O vinho na Grécia remonta a mais de 4.000 anos, onde Dionísio, filho de Zeus, reinava como o deus do Vinho.  47b799_38fb55aa454d48f99cd27b69541a0678-mv2

A vinícola TETRAMYTHOS destaca-se por pequena produção e qualidade esmerada, justificando cada experiência.

Destacamos um branco RETSINA, feito a partir de uvas Roditis, com a particularidade da adição de resina de pinheiro durante a fermentação, na proporção de 1kg de resina para 1.000 litros de vinho. O resultado é um vinho muito fresco, do qual disse a conceituada Jancis Robinson: “ Fabuloso aperitivo. Vale realmente provar independente do que você ache das Retsinas e das coisas horríveis que você já deve ter experimentado antes.”

O tinto grego que vamos destacar é o Mavro Kalavritino 2015, de videiras com quase 30 anos, 12,5 graus de álcool, redondo e ágil na boca, com final terroso e frutado. A uva Kalavritino é uma de muitas variedades autóctonas gregas que surpreendem no aroma e no paladar.

Os vinhos gregos permitem novas experiências, com antigas tradições.”

José Lúcio Natali

Decanter Campinas

@decantercampinas

www.facebook.com/DecanterCampinas

(19)9.9304.0554

(19)3255.6585

 

Vinícola Guaspari #lugarzinhos

Localizada em Espírito Santo do Pinhal, SP, a aproximadamente 1 hora de Campinas, a Guaspari é uma vinícola muito moderna que surpreende pelo caráter de seus vinhos, com ênfase nas uvas Syrah e Sauvignon Blanc.

Uma família de origem ligada ao campo chegou em 2001 a uma região tradicionalmente cafeeira e identificou condições muito favoráveis à viticultura. As primeiras vinhas foram plantadas em 2006 e hoje já somam 50 hectares.A semelhança da paisagem da fazenda com a da Toscana (que é a região de origem da maioria da população local e da família), o terreno granítico, a oportunidade de adquirir videiras de uma estação experimental e o desenvolvimento de uma nova tecnologia por um pesquisador brasileiro radicado em Bordeaux são fatores que contribuíram para seus surpreendentes resultados.

Altitudes entre 1.000 m e 1.300 m, noites frescas e a ótima insolação durante o dia proporcionam uma amplitude térmica entre 10ºC e 12ºC na época da colheita, semelhante à das grandes regiões europeias.
O método de colheita utilizado na Vinícola Guaspari é a transferência da safra para o inverno, também conhecida como colheita invertida, quando o clima na região é o ideal, semelhante ao das grandes zonas vinícolas do mundo. Ou dupla poda,  invés de uma só poda, são feitas uma poda de formação (imediatamente após a colheita) e, depois, uma poda de produção.

É um lugarzinho que vale o passeio, dá para ir e voltar no mesmo dia se estiver em Campinas, como eu.

O português da vez #winetips

A dica desta semana do querido amigo José Lúcio Natalli é um português , classificado como o 5º melhor vinho do ano pela prestigiada revista norte-americana Wine Enthusiast publicou, na edição de Dezembro, o TOP 100 dos melhores vinhos de 2016, distinguindo o José de Sousa 2014, classificado com 93 pontos e considerando-o “Editor’s Choice”

“Para quem procura grandes emoções e ótimas lembranças: vinho português JOSÉ DE SOUSA MAYOR – 2014.

Feito a partir de uvas Grand Noir (60%), Trincadeira (30%) e Aragonez (10%)

Pisado a pé em Lagares e fermentado em Ânforas de barro.

Depois, 9 meses em barricas de carvalho francês.

Por não ser filtrado pode criar depósitos no fundo da garrafa.

Resultado: vinho potente, 14,5% vol., taninos marcados.

Feito pelo enólogo Domingos Soares Franco, representante da sexta geração da família e primeiro enólogo de Portugal a se formar na prestigiosa Universidade de Davis, na Califórnia.

Se experimentar não vai se esquecer deste vinho!”

@joselucionatali

@decantercampinas

 

Vinhos para o Dia das Mães #winetips

O almoço do Dia das Mães é uma data que fazemos questão me marcar com tudo muito especial, afinal com a correria em que vivemos não são todos os dias que lembramos de homenageá-las da forma como realmente merecem.

Meu amigo José Lúcio Natalli me enviou uma sugestão muito especial para esta almoça.

“O Dia das Mães é ocasião de encontro de família, dia para rever parentes, diversão e risadas garantidas.

No almoço de comemoração os vinhos precisam agradar diferentes paladares e acompanhar pratos variados segundo cada tradição familiar.

A sugestão é começar com um vinho rosé para aperitivo vindo do Languedoc – França: Claude Val Rosé, eclético para agradar a todos, de uvas Grenache, Cinsault e Syraz.

Para o prato de peixe um toscano Orvieto Classico, da italiana Rocca Delle Macie, de uvas Trebbiano, Verdello e Grechetto, sem passagem por madeira e excelente acidez.

O acompanhamento da carne vermelha pode ser um Terranoble chileno, Reserva Carménère com taninos agradáveis e leve passagem por madeira.

Ah! Todos por menos de R$100 na Enoteca Decanter – Gramado Mall.”

@decantercampinas

 

 

Casa Geraldo Shiraz #winetips

O Vinho Casa Geraldo Shiraz é um jovem varietal elaborado com uvas da casta Shiraz produzidas em seu próprio vinhedo, em Andradas, na região Sul de Minas Gerais, onde eu tive o prazer de estar no último final de semana.

É o primeiro exemplar Safra 2012, com edição limitada. Um vinho de cor vermelho rubi brilhante, escuro e profundo. Possui aromas com notas de amora, ameixa preta e especiarias. Na boca é um vinho potente mas equilibrado, de taninos firmes e de caráter levemente mineral. Seu amadurecimento foi apenas três meses em barricas de carvalho americano, deixando destacar ainda a lembrança de sua fruta.

Pude degustá-lo durante o almoço na vinícola e confesso que me surpreendi.

Premiado com Medalha de Ouro no 10º Concurso Mundial de Bruxelas – 2013

O estado de São Paulo vem produzindo vinhos de qualidade graças ao método da colheita invertida, onde as uvas são colhidas no inverno, estação com temperaturas quentes de dia e frias a noite e sem chuvas.

Vale a pena conferir.

Vamos harmonizar? #winetips

E já que o friozinho chegou fica bem mais agradável falarmos sobre vinho e agora  com nosso segundo encontro da confraria se aproximando resolvi me arriscar nos meus palpites enogastronômicos , dai a minha idéia do post de hoje, porque conhecer um pouco sobre vinhos é muito mais simples do que imaginamos.

“Mas por que conhecer sobre os vinhos e sua harmonização, eu bebo e pronto” , é o que eu ouço com frequência. Eu não sou grande conhecedora dos vinhos, como já mencionei, mas sou uma apreciadora e portanto estou sempre atenta aos comentários de quem conhece e sempre que tenho oportunidade faço algum curso ou participo de alguma degustação e eventos relacionados.

Aprender o básico sobre harmonização nos ajuda a extrair o melhor do vinho e do prato que o acompanha, então vamos lá.

Quando for abrir um vinho para acompanhar uma refeição pense primeiro no que vai comer e depois escolha que tipo de uva e não se preocupe neste momento com a região ou produtor ou se for um “vinho barato”, pois é assim que iniciamos. Quando alguém me pergunta que vinho quero beber eu costumo responder: o que vamos comer? E qual a razão disto? Muito simples.

Quantas vezes você não disse ou ouviu que o vinho era ruim? Sim, porque nunca acusamos a comida de estar ruim ou errada, pois então. Geralmente o  vinho também  é bom, a sua escolha de combinação é que não foi das melhores, ou foi mal orientada.

Carne vermelha e vinho tinto combinam e pronto. Não é bem assim. Fatores como gordura ou a suculência das carnes influenciam no sabor final desta combinação e daí o termo harmonização, afinal o que vive em harmonia fui melhor.

A  dica de hoje é o contra filé e para ficar dos deuses aqui vai. Esta carne tem dois cortes famosos,o chorizo e o ancho. Hoje vamos de chorizo,  parte mais próxima do traseiro do animal, é uma carne mais compacta, menos gordurosa e menos macia que o bife ancho, porém igualmente saborosa.

Aqui podemos pensar em tintos com maior tanino, que deve agir com mais propriedade frente à suculência e fibrosidade da carne.

Vinhos como Cabernet Sauvignon, Tannat e Petit Verdot são extremamente apropriados.

O importante é percebermos que quando o teor de gordura intrínseca à carne aumenta, há necessidade de maior acidez do vinho, sem que os taninos sejam tão evidentes, que seria o caso do ancho. Mas este será nosso próximo post.

O vinho harmonizado com o bife de chorizo da foto, que eu saboreei com imenso prazer é um  chileno, Montes reserva 2014 cabernet sauvignon, um vinho na faixa $ 70,00 e portanto bem acessível.

Viu só? Não precisamos ser expert em vinhos, ou sommeliers e nem mesmo investir uma grande quantia para que o melhor dele seja extraído.

Assim pude extrair o melhor com meu filé acompanhado de vinho.

 

Dicas do Lúcio #winetips

Estou adorando compartilhar estes posts com dicas sobre vinhos do meu amigo José Lúcio Natali e como ele mesmo diz, ao contrário do amor, a relação com vinhos deve ser totalmente infiel, ou seja, procure não ficar sempre na mesma uva, ou no mesmo produtor, ou região. Arrisque-se em novas aventuras e descubra uma infinidade de prazeres.

“Guardar vinhos deitados só tem um motivo: molhar a rolha para que ela se expanda e se adapte perfeitamente às imperfeições da parte interna do gargalo da garrafa de vinho.

Portanto, se a tampa do vinho não é de cortiça, mas de rosca (corkscrew), o vinho pode ser guardado em pé, muitas vezes economizando espaço na sua adega ou armário.

E os espumantes, todos, podem também ser guardados com a garrafa em pé. Aliás, esta história de “vinho quanto mais velho melhor” não vale para a grande maioria dos espumantes. Comprou, descansou uma semana na sua casa, já pode abrir.

Falando em espumantes, vale a pena experimentar a linha BOSSA, tanto o brut como o prosecco, ideais para um happy hour com os amigos, acompanhando torradinhas e patês.

Outra dica talvez mais apropriada para esta época.

O vinho ideal para acompanhar bacalhau é o vinho verde.

Estes são vinhos produzidos em Portugal, na região do Minho, com paisagem exuberante e verde de suas plantas, e daí o VERDE.

A uva mais emblemática da região é a Alvarinho (que na Espanha é Albarinho), além da Loureiro.

São vinhos frescos e acompanham todas as preparações de peixes como o bacalhau.

O enólogo Anselmo Mendes faz, sem dúvida, os melhores Alvarinhos de Portugal na zona de Monção, tendo sido reconhecido como “Enólogo do Ano” pela Revista de Vinhos em 1997. “

José Lúcio Natali

Decanter Campinas

(19)9.9304.0554

(19)3255.6585

@joselucionatali

@decantercampinas